Animais
Construção, Industria e Comercio
Escritorio e Informatica
Esporte , Lazer e Jogos
Festas e Eventos
Imoveis para temporada
Imovel ( residencial,  comercial  e temporada)
Mídias Gerais
Setor Médico - Equipamentos  Hospitalares
Transportes
Tv, Foto, Som ,Video, Multimidia, etc.
Utensilios Domesticos
Vestuario
Visualize  Compare Preços Aluguel
Visualize DIVIDIR  QUARTOS


IPTU, quem paga? Inquilino ou proprietário?



Secovi                                                                  São Paulo, 20 de abril de 2005

 

Os jornais publicaram com ênfase o julgamento, pelo Superior Tribunal de Justiça, do Recurso Especial 685.316, e a maneira como foi divulgada a decisão trouxe dúvidas a locadores e a locatários. Afinal, deve o inquilino pagar o IPTU? Teria o STJ inovado acerca da questão?

 

De início, cabe verificar qual foi exatamente a questão julgada. A prefeitura do Rio de Janeiro pretendia cobrar o imposto, apontou a cobrança ante a cessionária da área e não contra a proprietária (infraero) ou contra eventual possuidor por direito real: escolheu a ré, com base em cláusula do contrato celebrado entre cessionária e proprietária, segundo o qual cumpria àquela o pagamento do tributo; o Tribunal decidiu que a cobrança deveria ser impelida ante a proprietária, não ante a cessionária, confirmando quando decidira o Tribunal carioca.

A partir daí, foram veiculadas algumas afirmações que merecem leitura e esclarecimentos. Primeiro aspecto: o julgamento não afastou a possibilidade prevista no artigo 23 inciso I da Lei de Locações, vigente por força do artigo 2.036 do novo Código Civil, e é, portanto, legal que locador e locatário combinem a obrigação de o inquilino arcar com IPTU.

Ocorre que a prefeitura é credora do proprietário, e o dono do imóvel é credor do locatário. A primeira relação é prevista em lei, e a resultado de contrato feito de acordo com a lê. Esta certeza não foi abalada pelo julgamento.

Bem por isso, naquelas situações em que se estabeleça que o locatário arque com o IPTU, caso o imposto não seja pago, duas serão as conseqüências: o locador (proprietário ou possuidor por direito real) o pagará à prefeitura, sob pena de sofrer execução, e o locador poderá promover ação de despejo por falta de pagamento, cumulada com cobrança.

No julgamento tratou-se do artigo 123 do Código Tributário Nacional, que dispõe que os acordos particulares, ou seja, dos quais não participou o Poder Público, não possam ser alegadas para que a Fazenda Pública modifique o sujeito passivo (quem tem de pagar) das obrigações tributárias.

É disposição clara e perfeitamente coerente com a lógica que norteia não somente a relação com o Estado, mas igualmente entre particulares, que terceiro que não participou de um ajuste não seria obrigado por ele.

O tema leva a outro ponto importante: a decisão não afetou a certeza expressa no artigo32 do Código Tributário Nacional, ao fixar como fato gerador do IPTU “... a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel por natureza ou acessão física, como definido na lei civil...”. E é com base no artigo 32 do CTN que os tribunais têm decidido que o IPTU é responsabilidade do compromissário comprador ainda que o instrumento particular não tenha sido registrado.

Mas cada caso é um caso, e, em síntese, pode-se afirmar que parte da mídia noticiou situação que não foi a tratada pelo STJ.

É legal impor ao inquilino o pagamento do IPTU, bastando que isto seja disciplinado no contrato, obviamente somente celebrado após negociação dos interessados; nesta situação, caso o inquilino não pague o tributo, poderá sofrer ação de despejo por falta de pagamento cumulada com cobrança.

Se o proprietário, por sua vez, não pagar o imposto, estará sujeito a cobrança judicial promovida pela prefeitura, este o sentido da decisão em questão. Quando exista domínio útil ou posse (observados os critérios do Código Civil), o possuidor assumirá a legitimidade passiva, será definido como contribuinte do imposto (artigo 32, 34, 121 do Código Tributário Nacional), não se exigindo, para tal fim, a transmissão da propriedade regularizada através de registro imobiliário.

Em resumo, a decisão do Superior Tribunal de Justiça deu à questão interpretação baseada na legislação. As dúvidas decorrentes certamente aconteceram por equívoco na leitura da decisão

Jaques Bushatsky



Voltar Imprimir



Procure no Aluga

Calcule seu Aluguel
Faça aqui seu Site!
Anuncie aqui!
Destaques do Aluga

 
Termos e Condições | Política de Privacidade | Fale conosco | Página Principal
 
©2014 Aluga - Todos os direitos reservados